Algumas REFLEXÕES Por meio da AUTO-ETNOGRAFIA COMO ESTRATÉGIA DE INVESTIGAÇÃO 2

Algumas REFLEXÕES Por meio da AUTO-ETNOGRAFIA COMO ESTRATÉGIA DE INVESTIGAÇÃO

Um sociólogo está a realizar a sua tese e escolheu entender o serviço informal numa das macro cidades da américa Latina. Uma e mais uma vez, visita feiras, ruas e praças públicas, falando com pessoas de diferentes idades, gênero, classes e etnias. Uma e novamente apreende outras expressões pra falar “não tenho dinheiro”, “eu estou esperando vender alguma coisa”, “isto eu faço pra ajudar meu marido”.

Um dia localiza que uma destas pessoas faz acordar a tua avó, que vendia frutas na feira do seu bairro para pagar os estudos ao seu pai. Nesse instante se oferece conta de que tudo o que havia lido, tentei espiar e assinalar se abre a uma dimensão, a “esquecida” até aquele instante: a tua existência. A partir de diferentes experctativas muito se tem escrito a respeito do espaço do pesquisador no recurso de criação de entendimento a partir da investigação empírica. Existem posições múltiplas pra chegar e fazer reflexivo o ambiente da subjetividade do pesquisador nas ciências sociais.

Uma destas experctativas, nos dias de hoje, é a auto-etnografia e pela base de uma reflexão sistemática sobre isto ela se elabora o presente trabalho. O objetivo desse artigo é apresentar alguns desafios epistémicos para a pesquisa social na américa Latina por meio da discussão sobre a utilidade da auto-etnografia como uma estratégia metodológica.

O serviço defende uma descolonização e o aprofundamento da criatividade sociológica na américa Latina, retomando as potencialidades do exercício da auto-etnografia. Muito se tem escrito a respeito da conexão entre a construção do entendimento social e as posições -e disposições – para aqueles que buscam perceber. No âmbito do desenvolvimento das Ciências Sociais latino-americanas dos últimos 30 anos tem havido várias referências de discussão e diálogo provenientes da Europa e EUA ao redor desta problemática. O local ocupado pelo sujeito que investiga, tem sido objeto de investigação da Epistemologia, da Teoria Social e da Metodologia.

  • Um Abordagem da ocorrência
  • Rajoy anuncia que os planos de pensões podem resgatar os 10 anos
  • Capítulo 2×138 (362) – “As Dúvidas De Miriam”
  • Acabe sendo um artigo extenso e bem estruturado, ao invés de 2 esboços
  • Faça toda a publicidade que possa

Um dos eixos possíveis para imaginar a ligação entre o sujeito que observa e o campo de observação é o que se condensa ao redor da relação entre padrões de explicação e indeterminação. As propostas de James Bohman em meados de 1990, são capazes de ser uma legal pista pra tematizar esta problemática. Bohman descobre que a nova filosofia da ciência pós-alemanha que tem melhores ferramentas e conceitos para resolver com o problema do dualismo e usufruir melhor as formas complexas de explicação que surgiram pela suposição social.

Opta pelo o que ele chama de uma visão pós-alemanha que não cética, isto é, por aquela que aceita que se podes achar critérios pra optar entre teorias a respeito do mundo social. Para Bohman, o pós-positivismo nas ciências sociais é: histórico, autoreflexivo, não determinista, não idealista, para não essencialista e consiste numa análise das práticas científicas.

Seguindo a Mary Hesse, Bohman acredita que o pós-positivismo significa a transformação de um modelo maravilhoso de explicação pra outro historicamente constituído. Este autor identifica a indeterminação como um traço intrínseco das práticas sociais, e os conceitos centrais das ciências sociais, por exemplo, causalidade, regras, crítica, visão correta, etc

A indeterminação não consiste pela impossibilidade e incompreensão, entretanto que está relacionada com o carácter reflexivo do discernimento. É um traço ontológico da realidade social. Pelo inverso, e também todas as teorias, os atores sociais não são claro portadores de forças sociais ou tolos tomadores de decisão dentro de uma ordem cultural. Equipados com as capacidades para o conhecimento e reflexão, os agentes podem transformar as tuas circunstâncias e as condições da vida social. Outro dos eixos que se são capazes de retomar para refletir as relações de implicação dos sujeitos envolvidos pela construção de discernimento é o de ponderar sobre isto as alternativas metodológicas que esses têm para tais fins.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima