Conheça Todos Os Lawen (em Mapudungun 2

Conheça Todos Os Lawen (em Mapudungun

A religião mapuche são as crenças e práticas religiosas que são próprias à cultura do público mapuche, um grupo indígena que habita no Chile e na Argentina. Ao retratar as crenças do público mapuche, há que mencionar anteriormente que não existem registros escritos de antigas lendas e mitos antes da chegada espanhola, uma vez que suas crenças religiosas eram transmitidas oralmente. O tempo linear que corresponde a uma revolução filosófica judaica baseada no zoroastrismo, dá-se como oposição à hipótese do tempo cíclico. Sua forma de perceber o tempo foi fundamental para o desenvolvimento do Ocidente e o que conhecemos como modernidade.

Em consequência a isso, desde o universo indígena se diz que “o Ocidente está permanentemente rejeitado a vida de uma filosofia indígena, relegándola à categoria de descomplicado visão de universo, folclore ou raciocínio mítico”. A interação do pensamento linear com o cíclico foi levado a cabo por intermédio do sincretismo, porém esta interação afetaria a essência das crenças mapuche, já que muda o fundo de sua visão do Universo, impondo uma linear.

O ensino de tua visão de mundo dada às criancinhas exercem mediante o cultrún. Tanto a humanidade (che), como os espíritos dos antepassados, Pillán, participam dos 2 mundos, mantendo um equilíbrio dinâmico entre o bem e o mal. O mundo onde vive, o homem é chamado Mapu, e sobre isso este, o Ankawenu (céu). Wenu Mapu: Na extremidade superior da Nag Mapu está a Wenu Mapu, a terra do alto, espaço sagrado e invisível onde habitam a família divina, os espíritos do bem e os antepassados mapuche. Nag Mapu: denomina-Se dessa maneira à terra central, assim como denominado como “a terra que andamos”, aquele espaço percebível que é habitado pelos homens e a meio ambiente.

Miñche Mapu: Na extremidade inferior da Nag Mapu, está a Miñche Mapu, a terra de baixo, onde está a potência do mal, ou espíritos malignos. Ao conjunto de relações espaciais e as particularidades territoriais do mundo Mapuche no plano do Nag Mapu, é denominado como Oshiete, oshiete Mapu. Este (Puel Mapu): Lugar dos deuses, os espíritos benéficos, os antepassados, a vida de vestígios de que os deuses, a socorro divina. Norte (Pikun Mapu): Lugar de Má sorte.

  • Por Andar De Amor (Romualdo Brito)
  • um Ato I
  • FRASES Para CORTEJAR UMA AMIGA
  • Raio de lua
  • como Willie Garvin utiliza um caminhão
  • O esfregão (Rafael Gutiérrez)
  • Massagem erótica
  • 3 O governo de Atenas a respeito da aliança

Oeste (Mapuche Mapu ou Nau Mapu): Lugar dos espíritos do mal. Sul (Willi Mapu): Lugar de Boa sorte. Igualmente, é portanto que, no porte ritual, a religiosidade indígena não se expressa através de templos ou outras construções com feitio de sacralidade. Ao inverso, traduz-se em íntimo contato com a natureza, os Ngen, e a terra, representada na Ñuke Mapu.

então, uma clareira pela floresta, cercado por árvores (oxalá canela) e purificado por intervenção de danças e rituais, torna-se o templo mais sagrado. A única construção que suportam o rewe, um tronco de canelo em que foram lavrados em torno de altos degraus que permitem ao oficiante, o Feiticeiro ou o Ngenpin, subir até o seu ápice. A cosmogonia indígena encontra-se a origem dos mapuches pela Ñuke Mapu. Outro mito cosmogônico mais famoso descreve os dados finais a respeito da construção de geografia do Chile por intermédio da lenda de Tenten Vilu e Caicai Vilu.

Produto da interação histórica entre os mitos e a religião cristã, na atualidade, esse mito pela versão mapuche, e principalmente huilliche, está profundamente entroncado com a história bíblica do dilúvio. Graças a isto, mais tarde, os próprios mapuche interpretarían este amplo evento como um renascer do mapuche e um fenômeno que se repete ao longo do tempo, como uma limpeza e uma renovação macroestacional. As crenças religiosas mapuche baseiam-se principalmente no culto aos espíritos dos antepassados (míticos ou reais), e aos espíritos e/ou elementos da meio ambiente.

Esses espíritos não correspondem a “divindades”, como comumente se entende no universo ocidental. Sobre isso das divindades, nem ao menos na religiosidade indígena mais antiga há um espírito principal que seja considerado “Deus supremo, criador do mundo e do homem, se bem que a palavra “Ngenechén” geralmente é traduzida como “Deus”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima