De Georgie Dann A Enrique Iglesias, Sonho De Uma Música Do Verão 2

De Georgie Dann A Enrique Iglesias, Sonho De Uma Música Do Verão

a esperam com amargura, outros a odeiam, porém todos acabam movendo os quadris ao ritmo da música do verão. Tudo começou em outro estado ensolarado e de marcado feitio latino, Itália. As gravadoras, lá pelos anos 60 e lendo o sucesso de vendas que supunha o Festival de San Remo, decidiram dar à luminosidade outra manifestação igual, que ganhou o nome de ‘Disco per l’estate’ (‘Disco ou canção do verão’). Sua primeira edição foi consumada em 1964 e teve uma vasto aceitação popular e extenso suporte dos meios de comunicação.

O funcionamento era descomplicado e adoro rapidamente o público italiano: uma seleção de assuntos por quota das gravadoras lutavam pelo ? RAI (rádio e televisão oficial italiana). Jimmy Fontana, O Banho ou Iva Zanicchi venceu neste formato. Pouco demorou a idéia de deslocar-se para a Espanha e a França, graças, entre outros fatores, ao “boom” turístico, a chegada da tv e o surgimento das listas de sucessos musicais nas emissoras de rádio.

a música do verão a toda a hora têm abundado os assuntos praieiros, festas, férias, amores ou elementos intransponíveis da época estival, como churrascos, os bares de praia ou simplesmente a maionese. O tema é o de menos, o relevante sempre foi e a todo o momento será a aceitação do público. Público, que no momento em que chega o verão só quer uma coisa, relaxar, não meditar muito e, além de tudo, divirta-se com seus entes queridos. A acompanhar, oferecemos uma modesta seleção das canções do verão, desde o nascimento deste clássico anual da música espanhola. Sem esquecer, é claro, que não existe um vencedor oficial e o consequência é previsível e peculiar em cada pessoa.

1965: Um hit português do instante, ‘A moça ye-e conseguiu brevemente’ de Concha Velasco arrasou entre a juventude pátria de quando um cenário estrangeiro, ‘A Yenka’ Johnny and Charley, triunfou em todas as festas. Uma canção reivindicativa de direitos sociais e de abertura de mulher contra um baile cativante e facilón ao som de uma letra sem significado.

  1. Despertar o carinho
  2. 13 Martin Stein
  3. 8 Livro Oitavo
  4. N. 7 Trio Coisa sentō! tosto andate (Susanna, Basílio, Conde)
  5. três Direitos humanos

Decidam vocês. Também não há que desconsiderar outros sucessos nesse ano como ‘Melhor’ e ‘Bêbado’ de ‘Saltos’. 1966: Este ano houve dois candidatos claras, ambas com um mesmo pai, ‘Bravos’. Black is black’ e ‘moto’ seguiram o rumo do triunfo graças aos seus ritmos e suas perguntas, cativantes. Também relevantes foram ‘The Kinks’ com sua ‘sol’ ‘Sunny Afternoon’, ‘Summer in the City’ de ‘Lovin’ Spoonful’ ou ‘Good Vibrations’ dos ‘Beach Boys’. 1967: Ano de escolha difícil devido ao amplo número de sucessos que ultrapassaram até nossos dias.

Talvez a mais emblemática fora ‘Os meninos com as gurias’ de ‘Bravos’, cujo ritmo cativante e letra simplona fizeram as delícias da juventude espanhola. Também arrasaram ‘Romeu e Julieta’, de Karina, ‘Quando saí de Cuba’ de Luis Aguilé, ‘Lola’ de ‘Saltos’ ou ‘Cala-te, menina’ de ‘Pic-Nic’. 1968: Este histórico ano para a música espanhola foi um conteúdo de destaque, que não apenas se ouviu no verão, no inverno e no outono, no rádio, nas festas ou discotecas. A, a, a’, de carlos gomes levou o festival de Eurovión em um triunfo único até à data para Portugal no eurofestival tão esquivo para os artistas nacionais.

1969: Na ante-sala dos anos 70, a disputa voltou a acompanhar, dessa vez entre 3 músicas. 1970: O primeiro verão da década de setenta nos deixou um assunto mítico que será a toda a hora apontado como um dos principais expoente da música do verão: ‘Um raio de sol’ de ‘Os Demônios’.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima