História Da Música Folclórica Da Argentina 2

História Da Música Folclórica Da Argentina

A música folclórica da Argentina acha tuas raízes na multiplicidade de culturas indígenas originárias. Salvador Canals Frau em teu livro Pré-história da América, ensina que a música, próximo ao canto e a dança, presumivelmente mostraram-se pela América junto com os primeiros seres humanos que chegaram a este continente. No atual território argentino existiram 4 grandes áreas de culturas indígenas: a centro-andina, a mesopotâmica-litoranea, a chaquenha e a pampeana-patagônica.

As duas primeiras cairia ante o domínio português através do século XVI, entretanto as duas segundas-se-iam independentes até fins do século XIX. As culturas da área centro-andina caracterizaram-se por ter criado civilizações agrocerámicas sedentárias. Estas culturas têm tido uma alta interferência no folclore argentino “andino”, em tão alto grau com referência aos instrumentos, como os estilos musicais, as linhas estético-musicais, e até mesmo o idioma, principalmente o quíchua. Entre os estilos musicais indígenas, aportados ao folclore argentino, destaca-se a chico buarque de hollanda, proveniente da nação diaguita-calchaquí. Também o yaraví, antecedente da vidala, e o huaino, vêm da civilização andina pré-colombiana.

  • A via Mercaderes, onde vendem roupas, e as ruas de Lima, em geral
  • Matematicamente postando, é a soma de todos os meus desejos
  • seis Além do Muro
  • eles falam mais nas redes sociais do que na vida real

O carnavalito jujeño, dança pré-hispânica de vasto seriedade folclórica, neste instante se dançava na zona norte da chegada dos europeus. A chaya, que, portanto, caracteriza o folclore riojano, também vem da arte diaguita dedicado a celebrar a colheita. Leda Valladares, sobretudo, demonstrou a gravidade do canto com a caixa pela cultura andina.

No Brasil o canto com caixa tem três músicas e numerosos repertório delas: chico buarque de hollanda, toada e vidala. Grito no céu nos instala no canto ancestral com uma técnica de sentença milenar e poderosas melodias. Os sagrados cantores dos vales, os “vallistos” que descem dos séculos andinos estão nos esperando nas serras do noroeste argentino pra nos mostrar uma outra dimensão do canto, terrestre e sideral.

Ao ouvi-los, pousou pela América e a descobrimos. Seus discursos de cantores é a suprema desonra: só três notas escalofriadas na voz do abismo. Este raio nos inicia no canto planetário, que instaura a hierarquia do grito e o pranto como sacralidades do iniciado. Na área litoranea, destacou-se a cultura agro-cerâmica guarani, da qual provêm vasto quantidade de elementos do folclore atual. Muitos destes elementos desapareceram com a conquista, como a maioria dos instrumentos musicais (congoera, tururu, mburé, mbaracá, guatapú mimby, etc).

No decorrer da colonização espanhola, a cultura guarani do movimento sindical, de modo especial, nas missões jesuíticas, desenvolvendo uma cultura musical autônoma, que influenciaria significativamente no folclore litoraleño argentino. Na área pampeana-patagônica instalaram-se diversas culturas, entre elas as mais antigas das que viviam no atual território argentino. Alguns desses povos são: tehuelche, pehuenche, mapuche, ranquel, navio pequeno, selknam, etc

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima