Império Português Na Ásia E Oceania 2

Império Português Na Ásia E Oceania

Necessita melhorar a tua suporte. Sua redação não segue as convenções de estilo. Precisa referências adicionais para a verificação. Requer uma revisão ortográfica e gramatical. Pode ser difícil de perceber pros leitores interessados no tema. O Império português pela Ásia e Oceania cita-se ao conjunto de territórios do Sudeste Asiático e ilhas do Pacífico, que pertenceram a Portugal entre os séculos XVI e XIX. Começando com a expedição de fernão de Magalhães e Elcano (1519-1522), Portugal realizou várias expedições ao oceano Pacífico, tendo como ocasionando a análise e a descoberta de incalculáveis territórios, diversos dos quais foram incorporados mais tarde o Império português.

A presença portuguesa na Ásia e Oceania estava em um começo motivada pelo controle das Ilhas Molucas, conhecidas como “Ilhas das Especiarias”, disputadas com Portugal. O Tratado de Saragoça (1529 delimitou as áreas de intervenção de Portugal e de Espanha, na Ásia e no Pacífico, deixando as Molucas, na área portuguesa, entretanto, para as Filipinas, perante a intervenção espanhola. Dezesseis de março chegaram a Sámar, o que significou o descobrimento das ilhas Filipinas, que Magalhães chamou de “ilhas de São Lázaro”, e reclamou das ilhas de Espanha.

  • luísa salgueiro – Senhorita Bônus
  • Feitiço do cartão
  • O Que Te Fez O Dois (Fabián Currais)
  • você É meu último pensamento antes de dormir
  • Arnoldo Ramos Amaya
  • Enamóralo de acordo com teu tipo

Em Mactán, Magalhães foi falecido em confronto no dia 21 de abril de 1521, por almejar submeter à força os indígenas. Seu sucessor, Duarte Barbosa, o mataram a traição em Cebu, perto meia de seus homens em um banquete armadilha ajeitado pelo rajá. O resto da expedição continuou a viagem nos navios Victoria e Trindade, queimando a Concepção.

Em Mindanao, o de acordo com a bordo, Juan Sebastián Elcano, assumiu a expedição e dirigiram-se para as ilhas Molucas, a arrecadação de especiarias, de onde partirían para Portugal. As últimas duas naus, a Vitória e a Trindade, se separaram por causa uma avaria pela Trindade. A Vitória deixou rumo oeste pelo oceano Índico e a Trindade, ao comando de Gonzalo Gómez de Espinosa, tentou buscar o tornaviaje pro oceano Pacífico. Em 6 de abril de 1522 a Trindade saiu de Tidore, colocando sentido ao nordeste.

Avistaram as ilhas mais setentrionais das Marianas e, posteriormente, marcharam para o norte, a término de encontrar ventos favoráveis pra conseguir Nova Espanha. Devido ao temporal, os marinheiros tiveram que regressar pelo mesmo caminho por Mariana. A nave cedia, pouco a insuficiente, devido ao mar, e seu estado era péssimo, por que tiveram que deslocar-se pra ilha de Ternate, onde foram capturados pelos portugueses, que queimaram o barco e confiscaram a carga.

os cinqüenta homens que havia na ilha, desde há seis meses, apenas dezoito sobreviveram, morrendo no caminho, mais da metade, e também 3 tripulantes desertados nas Marianas. Após a primeira circum-navegação do universo, Carlos I de Portugal decidiu enviar outra expedição pra tomar posse das ilhas Molucas, em nome da Coroa.

Hernán Cortés, após a conquista do Império asteca, era considerável elaborar frotas navais no Pacífico. Dessa forma, pediu ao seu primo Álvaro de Saavedra Cerón comandar uma expedição ao Pacífico. A Flórida, nau capitânia da expedição, após uma separação involuntária, foi a única sobrevivente das três. Talvez os exploradores espanhóis dessa expedição chegaram ao arquipélago do Havaí, 2 séculos antes de que o capitão James Cook das visitar em 1778. Em um mito descreve que os brancos foram recebidos pelo chefe Wakalana.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima