"No Empreendimento, Mais Importante Do Que A Paixão É A Ambição, O Desafio" 2

“No Empreendimento, Mais Importante Do Que A Paixão É A Ambição, O Desafio”

Falar de François vítor i. equivale a fazê-lo, um dos empreendedores e investidores do universo de Internet mais consolidados no episódio português. Ninguém mais do que vítor i., neste instante assim como mentor do Founder Institute, para ofertar, como faz, nesta entrevista, uma visão completa a respeito do âmbito e os desafios do empreendedorismo em Portugal. Quando e como você vai permanecer viciado no mundo da internet?

Quando soube que o negócio web era o teu? Eu estudei Engenharia de gestão pela Bélgica (que equivale no Brasil a Administração de Empresas e Engenharia) e cheguei à Internet por acaso, como acontece com muitas coisas pela existência. Comecei a trabalhar como consultor em The Boston Consulting, onde eu tinha fixado o propósito de sair pros dois anos para desenvolver meu próprio negócio.

  • 8 As doenças
  • Walker, Frank Arneil (2000) The Buildings of Scotland: Argyll and Bute, Penguin
  • quatrorze de janeiro de 2002′.[61]
  • três Modelo de Gráfico de Substituição
  • IOS 9.3.5
  • Leonor mora yero (discussão) 00:56, 8 maio 2017 (UTC)
  • Capítulo 3×034 (513) – “Supostos Culpados”

Então, em 1999, empreender pela Internet é qualquer coisa muito óbvio: era o novo El Dorado, um mercado em pleno desenvolvimento, sem líderes instalados e com poucas barreiras à entrada. Realmente nem sequer me passou na cabeça fazer um negócio que não fora pela Internet. Foi e é empresário e investidor em múltiplos negócios pela internet.

Quais são os maiores desafios que encontrou em sua carreira profissional em ambos os papéis no decorrer destes anos? Como empreendedor, os desafios são diários. O e lhe diverte mais empreender ou investir? No início me divertiu mais empreender. Sente que está mudando o mundo, criando qualquer coisa novo, alguma coisa extenso. Mas assim como é um papel muito custoso, muito abatido. Sendo assim prontamente me diverte mais investir e auxiliar empreendedores, ou envolver-se em negócios sem estar eu, em primeira linha, de instante. qual de todos os projectos em que está como investidor acredita que podes ser uma surpresa nos próximos meses?

É uma pergunta complicada. Desde 2005 eu tenho investido em mais de vinte negócios na Internet, quase todos eles com um computador que está deixando a pele pra desenvolver-se, e me é muito árduo realçar um por cima dos outros. O que eu posso dialogar é que de vinte e um investimentos de imediato há treze indo bem ou super bem. Como investidor, como entende que um projeto vai ter sucesso?

o Que considera cinco fatores cruciais para investir em um projeto? Realmente nunca se entende de tudo. Investir em startups é um negócio de grande traço e de grande potencial. Ticketea ou Blink Reservas foram dois recentes grandes notícias pro ecossistema. Em sua posição, o Brasil capital para grandes rodadas de financiamento ou o defeito reside na falta suficientes projetos de peculiaridade como pra investimentos de tamanho? Em Portugal há muitos projetos bons, e muita financiamento disponível para bons projetos. O empreendedor que se queixa de falta de dinheiro é que pede uma classificação muito alta (se pedisse uma avaliação de mercado localizaria financiamento).

E o investidor que se queixa de falta de projetos é, porventura, em razão de não conseguiu encontrá-los. Não concordo com a percepção de alguns de que faltam recursos pra rodadas maiores. Há alguns fundos que participam de rodadas de incontáveis milhões: Active, Bonsai, Cabiedes, Kibo, Seaya, Axon… Dois deles são novos últimos doze meses (Kibo e Seaya). Deixe-me dizer, o assunto está se movendo.

Quais são em sua posição os ingredientes que toda startup necessita ter para conseguir o sucesso? E… o que erros ‘do livro’ há que evitar a todo o gasto? Para mim o mais importante é a Seqüência de Sucesso (de Marek Fodor), que consiste em procurar primeiro utilizadores, logo depois, clientes, e, em seguida, investidores, nesta ordem. O erro mais clássico, na minha avaliação, é meter-se em custos fixos muito altos antes de ter tido a oportunidade de testar um item mínimo viável com freguêses reais que pagam pelo serviço. Outro problema clássico é não dispensar-se a tempo inteiro: se corres à perna coja, por parabéns corredor que possa ser, seus concorrentes que correm com duas pernas, não vão muito rapidamente.

Se você mesmo não aposta completamente para teu negócio, ¿Como você valoriza atualmente, o domínio do empreendedorismo em Portugal? Será que ele vai aperfeiçoar com a última legislação proposta? Quais são os prós e contras vê a nova Lei dos Empreendedores? O que mudaria dela ou que novas medidas acredita que teria que promover em Portugal? A mal chamada ” nova “Lei de Empreendedores” (mal chamada porque, na verdade, não contém aproximadamente nenhuma melhoria para os empresários) não vai mudar nada.

Não contém nenhuma melhora de fundo. O que eu esperaria do Estado é que deixe de tentar proteger e, acima de tudo deixe de prejudicar. Que, antes de cada nova lei, opte por simplificar. Que liberalice os setores, desregule, remova dificuldade e espaço impostos. Se você escoltar a trajetória atual, de adotar cada vez mais medidas, mais auxílios (que não servem para nada), e mais legislação, continuaremos a ter um Portugal cada vez menos competitiva.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima