Suplemento Crônica 428 - O Ciber-exército Democrata 2

Suplemento Crônica 428 – O Ciber-exército Democrata

Howard Dean, de cinquenta e cinco anos, e o candidato do teu partido que lidera as pesquisas, rodeado de fãs, em um ato sindical em Nova York. Depende, ou dependente, de eleitores como Christine Ewing. A essa hora, a mais de 7.000 km de distância e quatro fusos horários de diferença, Jonathan vai deixar-Tomkins apenas se levantou em Sitka, o público de uma pequena ilha do Alasca. Seu primeiro instinto é ligar o pc, falar sobre isso as novidades da campanha com seus colegas e atualizar a apoio de detalhes que lhe tocou.

“a Internet mudou tudo nesta campanha”, diz Carol Darr, diretora do Instituto de Política, Democracia e Internet da Universidade George Washington. Ganhe ou perca, até já seus imitadores rivais concordam que Dean tem transformado o modo de fazer política nos EUA. “A Internet vai muito mais além -explica Dean, como sempre muito ligeiro e contundente, durante um debate com universitários em Manchester – trata-se de que os americanos retomem seu povo, que voltem a participar no modo.

Ao invés de absorver cinquenta amigos ricaços republicanos, que terão grande intervenção na política pública, o que vamos fazer é pedir-lhe cem dólares para 2 milhões de americanos”. “Pela primeira vez desde 1960, a transformação está nas mãos de uma nova formação de jovens que necessita dar um pretexto para votar”, repete Dean a CRONICA. Atualmente, 70% dos jovens americanos não votam. A Geração Dean dos 20 e poucos anos inverte esta tendência.

  1. “Coração, você é a minha bússola, meu mapa e o meu horizonte. Boas Noites”
  2. APRENDA A APOSTAR Dicas
  3. 10 King Bradley
  4. Qual é o truque para que a massa brick se enrole bem

Obter novos eleitores -a verdadeira expectativa pra vencer Bush – é somente possível por causa de, diz Dean, “a Internet tem ajudado a acelerar o momento tão rápido que você pode fazer de tudo”. Jonathan, que se apaixonou em tão alto grau na oposição à batalha de Dean como o significado de pertencer a um “movimento” de amigos adultos, que lhe entendiam mais do que seus amigos de classe, é o mais bacana exemplo. “Se você utiliza a Internet pra montar uma organização com base popular, aumenta a efetividade de todas as táticas”, conta por intermédio do Território dos estados unidos.

“É bem mais produtivo do que chamar as pessoas ou repartir boletins de voto. O que Te fornece mais saída pra tua causa. Você se sente ainda mais interconectado”. Dean, de 55 anos, apenas “está aprendendo”, confessam em sua campanha, a manejar um pc e a navegar na Rede. Durante décadas, preferiu a máquina de digitar e nunca tivesse sabido da vida de friendster, se não fosse por causa de seus adolescentes consultores internautas. Dean não é nem ao menos cibernauta nem sequer campeão do proletariado, como o pintam críticos e seguidores. Ao longo do seu mandato de 11 anos como governador de Vermont, aprovou, pela sequência de uma decisão do Supremo Tribunal federal, a primeira lei de uniões civis.

Então comentou notar-se “desconfortável” com a ideia do casamento gay, entretanto impulsionou uma legislação a que se opunham a maioria de seus cidadãos em ano eleitoral. Nesse verão, dedicou-se a ir de cidade em cidade, pra convencer seus vizinhos de que a lei era uma questão de igualdade. E, quase por sorte, aquela é sua maior realização “esquerdista”, e também tua oposição à guerra no Iraque desde o começo, no momento em que Bush tinha índices recordes de popularidade.

Com o seu caráter direto e brusco em outras ocasiões -por ser médico, é de se proteger ele, Dean ganhou fama de honesto ou de “brasileiros”, de acordo com a versão. O candidato, suavemente, com as suas gravatas de gosto discutível, suas roupas enrugados e tuas camisas a todo o momento arremangadas, é qualificado de lançar trinta expressões no tempo em que Bush delineou média.

Seus discursos são muito velozes. Tanto como para botar-se em pé, com a sua energia, teatros inteiros. Tanto que não calibrar tuas expressões e soltar que o partido democrata tem que enchê-lo assim como “estes americanos carregam bandeiras confederadas em seus caminhões”. Uma noite em Salem, no salão de atos do instituto recinto, Linda McCarthy é apto de acender o pavio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima